Picos PRO RACE 2017 –

Picos Pro Race 2017

A maratona de 92 quilômetros onde Vencer não significa chegar em Primeiro.

O Pedallar recebeu o convite da organização do Picos Pro Race para se aventurar em meio as trilhas de 92 quilômetros de prova e fazer alguns registros. Em sua 5ª edição, o Picos Pro Race acontece na cidade de Picos, a cidade do Mel, que fica localizada no Vale do Rio Guabiras, com paisagens naturais exuberantes, cheia de formações rochosas, picos montanhosos e serras que são muito bem utilizadas para criar as dificuldades perfeitas para os amantes de Mountain Bike.

Picos é o principal entroncamento rodoviário do Nordeste ligando o Piauí ao Maranhão, Ceará, Pernambuco e Bahia, e talvez esse seja o fator que mais facilita a presença de 450 atletas de todos os estados. É fácil chegar e os atletas vem em comboios com suas equipes, chegando de todos os lados e rapidamente ocupando a rede hoteleira, enchendo os restaurantes e uma grande movimentação no Shopping Picos Plaza, local do QG da prova, onde os atletas iam fazer as vistorias, receber os kits e assistir ao briefing da prova no dia que antecedia a maratona, com direito a shows de rock, muitas lojas e opções para todos.

No final da noite, todos se dirigiram para seus respectivos hotéis com a expectativa a mil para a prova que já tem fama de ser dura e cansativa. Um dos fatores mais curiosos é que grandes desafios são os maiores desejos desses atletas do Mountain Bike: quanto mais difícil, melhor. Os ciclistas que vieram de Teresina, São Raimundo Nonato, Bahia, Pernambuco, Minas Gerais e muitos outros locais estavam com a ansiedade a flor da pele.

No dia 01 de Julho, domingo, as 5:00 da madrugada a movimentação começa. É possível escutar pelas paredes do hotel o barulho das bicicletas recebendo seus ajustes finais. Os atletas logo em seguida equipam-se e vão ao café da manhã, para garantir que estejam bem alimentados na prova de 92 quilômetros. No caminho para a largada no Picos Plaza Shopping, a cidade inteira é tomada por bicicletas em suas avenidas. Já no local, tudo pronto, todos posicionados para o início da prova e as 07:15 começa a corrida.

Daqui pra frente passar por Bocaina, São João do Piauí, São José do Piauí, Várzea do Engano, Santana e Localidade Imbira é sempre cheio de surpresas. O trecho é dividido entre estradão, pedregulho, areal, pedra solta, subidas íngremes e descidas alucinantes, tudo com indicações, setas, avisos de cuidado, de passagem e em uma organização ímpar, para que a segurança dos atletas esteja sempre em primeiro lugar.

Quadros quebrados, pneus furados, câmbios trincados e muita queda no caminho. Todos os competidores, sejam da Elite ou da categoria Turismo são testados de diferentes modos. A categoria Turismo tem metade do percurso e foi feita com a finalidade de apresentar a prova para várias sub-categorias como Turismo Masculino, Feminino, Junior e Juvenil. Aqui a ideia é curtir a paisagem, se aventurar um pouco, mas sem se arriscar, tudo é feito na medida para os novatos da prova. Finalizar essa categoria é um desafio, mas que pode se conquistado com bastante suor e dedicação.

Já na categoria Elite, suor e lágrimas é o kit básico da prova. Daniel Pires, atleta do Iron Man, prova de Triatlo que envolve ciclismo, natação e corrida, ficou em 9º lugar da Elite Masculino. Ele elogiou o percurso da prova e disse que o Picos Pro Race é um desafio para qualquer atleta, mesmo os mais preparados tem que estar cientes da dificuldade.

Daniel Carneiro, o Zóia, ficou em primeiro lugar na categoria Elite Masculino e também o primeiro lugar geral. Zoia conversou com a gente e falou do nível técnico e de organização da prova. Segundo Zoia, os trechos de areia afundam a bike e só os atletas mais preparados estão aptos a fazer os tempos records. O atleta Audax veio de Minas Gerais para a corrida e garantiu uma vantagem na chegada de quase 10 minutos para o segundo atleta, Gilberto de Sousa que veio em ritmo forte na prova.

No Elite Feminino, uma pernambucana veio com toda força para sua primeira participação. Alexsandra Noronha ficou em primeiro lugar e é só elogios para a organização e a prova de alto nível. Venilda Eli ficou em segundo lugar da Elite Feminino.

Na categoria Master Feminino, Joziani que veio de Pernambuco afirma que o percurso não tinha “empurra bike” e foi ótimo para correr. Ela garantiu o primeiro lugar da categoria, seguida por Cristiany Siqueira em segundo.

Marco Melo, campeão 5 vezes do Rally Cerapió Piocerá teve um problema com os raios da bicicleta e não conseguiu completar o percurso. Mas isso não o desanimou, e disse que o Picos Pro Race é uma das melhores do Brasil. Nível de organização e percurso estão acima da média.

Na chegada, todos os atletas recebiam frutas, água e até massagem. Aliás pontos de hidratação e frutas não faltaram em todo o percurso, espalhados na trilha, nos povoados e em pontos estratégicos.  O Doutor Rafael faz parte da equipe do Picos Pro Race e informava a importância do alongamento e tratamentos com gelo, para evitar que as contusões das quedas que aconteceram durante a prova pudessem piorar de alguma forma. Além das dicas sobre alongamento, dicas sobre hidratação, os atletas recebiam indicações para que qualquer tipo de lesões nos trechos do percurso aguardassem os técnicos de enfermagem e ambulâncias para o tratamento adequado.

Nem só de vitória é feito o Picos Pro Race. Existe muita emoção, muito esforço e muita paixão envolvida. Dona Glinne, uma mãe apoiadora do esporte, estava aguardando na linha de chegada para recepcionar a filha que estava participando do evento. No momento da conversa, a filha dela chegou. Foi uma emoção única. Perceba na foto, que em um dos pontos de água, lá estava a mãezona esperando o orgulho da vida dela.

Uma das palavras mais utilizadas durante todas as entrevistas foi SUPERAÇÃO. Luiz Alves de Sousa é para-atleta, corre as provas de bike mesmo tendo perdido uma perna em um acidente, sem nenhuma prótese. Luiz é um exemplo de superação e correu na categoria Master C1, sendo o único para-atleta na categoria e na prova. Foram 92 quilômetros de pura emoção, sendo ovacionado por onde passava. Luiz é Vice-Campeão Brasileiro de Para-Triatlho e está em segundo lugar no ranking nacional. Luiz foi Vice Campeão da categoria e o segundo lugar, mais que merecido, foi conquistado.

No final do dia, todos os que chegaram, seja pedalando, seja no carro de apoio conseguiram provar a si mesmos os limites dos desafios. Muito suor foi derramado, muita lágrima caiu e mesmo assim, no final o que temos de mais marcante é a quantidade de sorrisos espalhados por todas as provas. Afinal, não é necessário chegar em primeiro para ser vencedor aqui. Todos aqueles que superaram seus limites já venceram, independente do pódio, a medalha está lá para provar isso.

Veja a emoção do organizador Daniel Freitas no final da prova. Muito trabalho e muita felicidade.

Ano que vem estaremos lá.

Fica com a gente!

Até a próxima.


 

Compartilhe essa notícia: